25 janeiro, 2006

Revisão dos 3000

Chegando aos 3.000 km, levei a motoca na concessionária do Pacaembú (a Motonac) primeiro porque a concessionária de Guarulhos onde eu comprei a moto e fiz a primeira revisão (Dragster) estava fechada para balanço e segundo porque é sempre bom poder comparar o serviço entre as concessionárias.

Trocaram o retentor do fluido de freio (leiam post anterior), óleo e o filtro de óleo.

O serviço em ambas foi bom, mas como a moto não está apresentando nenhum defeito grave não dá pra dizer com certeza se elas são, realmente, boas.

Tem diferença no valor do serviço: R$ 70,00 na Dragster e R$ 120,00 na Motonac (ponto pra Dragster), mas na Motonac eu não precisei ficar implorando pra ter minha moto de volta em dois dias, esse é o prazo default (ponto pra Motonac).

Isso é uma coisa que eu não entendo: pra que ficar com minha moto lá dois dias, se o serviço será executado em 4 horas no máximo? Isso não é falta de organização total? Só estou esperando a concessionária que vai lançar o serviço de revisão em 1 dia, pra eu esquecer de todas as demais e ir só nela o resto da vida.

Vazamento de Fluido: Cuidado!!!!

No dia em que eu fui ver minha motoca na concessionária para fechar negócio eu vi uma Mirage 2002 la pra vender e uma coisa nela me chamou a atenção: a capa / tampa do reservatório de fluido de freio estava toda corroída nas bordas como se estivesse enferrujada, e tinha um pouco de fluido vazando de lá também.

Deixei isso pra lá, pois eu não queria comprar a moto usada mesmo, mas agora que eu comprei a minha eu estou de olho nesse item.

E não é que estava vazando também????????

Passei a verificar isso a cada dois dias e lá estava uma babinha de fluido de freio indo embora.... Perigo duplo: de a moto não parar mais cedo ou mais tarde por falta de fluido e de a tampa do retentor ficar toda zuada (fica feia pra caramba).

Assim sendo, na proxima revisão (que está bem próxima) vou pedir pra eles verificarem o que está acontecendo. Fiquem de olho nos retentores Mirageiros...

Mirage na Quatro Rodas especial

Nesse mês que passou saiu uma edição especial da quatro rodas falando só sobre motos. Não comprei porque achei caro (R$9,90), mas como compro coisa pra caramba naquela banca, acabei lendo a matéria toda de pé lá mesmo.

A matéria era sobre a Mirage Premier (que como sabemos de diferente para mirage anterior só tem o jogo de adesivos e o catalizador) e falava muito bem da moto.

Itens como agilidade, leveza, dirigibilidade, beleza e etc foram muito comentados mas um tópico me chamou a atenção: o consumo

Eles disseram que o consumo varia de 19 a 23 km/litro andando rápido, de 23 a 30 andando na manha e mais de 30 se andar devagar.

Se isso for mesmo verdade então eu só ando na manha e nem sabia!!! Isso porque minha moto (vide post anterior) consome a média de 23 km/litro e eu achava que eu andava pra caramba. Fico na média de 120 km/h na estrada e uns 80km/h na cidade, mas sempre saido rápido de semáforos e etc.

Moral da hitória: a quatro rodas fez um monte de elogios a Mirage (nenhuma novidade, todo mundo elogia) e eu percebi que minha média de consumo está muito boa.

Um medroso Apaixonado pela Mirage

Tenho um amigo na empresa onde trabalho que se diz APAIXONADO pela Mirage. A ponto de ter um poster da Mirage no quarto. Mas ele não tem uma Mirage, mas sim uma Intruder 1100 (ou será 1200?) usada.

Ele falou tão bem da Mirage que a moto era linda, e etc e ficou elogiando tanto que eu perguntei: Se voce gosta tanto assim, venda a sua (que vale tanto quanto uma Mirage Zero km) e compra a Mirage. Ele só ria...

Depois de algum tempo eu insisti e veio a resposa de verdade: Ele não compra a Mirage porque tem medo da marca. Medo de perder dinheiro. Complicado não?

Vai ficar na vontade, reclamando dos problemas da Virago o resto da vida, enquanto eu estou de boa aproveitando minha Mirage....

É a vida.

13 janeiro, 2006

Dor na coluna

Há algum tempo atrás mandei uma mensagem para o grupo da Mirage no yahoo grupos dizendo que estava até pensando em me desfazer da Mirage por causa de uma dor na lombar que não me deixava em paz. Todo dia era a mesma coisa....

Coisa de quem estava acostumado com a XR que é cross e onde a gente pilota quase de pé, com uma bela suspensão prolink que segura qualquer buraco.

Com a Mirage a coisa é beeeem diferente. Seu banco é hiper confortável, mas ela não foi feita pra buracos e a posição de pilotagem faz com que cada solavanco mais forte vá bater direto na base da coluna (e é aí onde está o problema).

A solução (pelo menos até agora resolveu) está sendo o alforge traseiro invertido e uma almofadinha que coloquei entre ele e a base da minha coluna, que agora fica sustentada o tempo todo. Minha moto virou MESMO um sofá ambulante.

Mas isso não basta, o outro ponto é a reeducação: não ando mais no mesmo ritmo dentro do bairro onde o asfalto é muito irregular e com isso os solavancos sumiram, e deixo pra “descontar” quando caio na estrada, aí eu ando sem dó.



Vejam nessa foto como ficou a coisa: o Alforge (agora sem o porta ferramentas que eu arranquei) ficou virado pra frente e eu vou encostado nele. Se pintar garupa, eu viro ele pra trás de novo pois ele é preso só no velcro e pronto. Pra completar o quadro tem a almofadinha que é imperceptível quanto estou andando, mas que ajuda pacas.

Nhic-Nhic dos infernos!!!!!

A essa altura pessoal, a minha motoca já está com 2250Km rodados, primeira revisão OK, regularam a marcha lenta e agora ela já não morre a toa, mas apareceu um nhic-nhic infeliz na parte de trás da moto que está me tirando do sério.

A corrente é lambuzada de graxa branca todo sábado o que me garante que não é a relação. E como amanhã é sábado vou levar ela pra tomar uma ducha. Quem sabe lavando o barulho some? Pode ter sido a chuva, e como dá dó andar na Mirage na chuva... No dia seguinte ela fica suja e não dá tempo de lavar (moto de trabalho sofre) mas mesmo assim jogo uma água pelo menos pra tirar o mais grosso e vamos em frente.

Vamos ver no que dá o Nhic-nhic....

Para-Brisa

Esses para brisas de prender no guidão são um saco. Os parafusos vão afrouxando, afrouxando e quando você nota, já está batucando em cima do farol. E da-lhe chave de boca pra reapertar tudo e colocar tudo no lugar. Mas dois dias se passam e a novela recomeça.

A Mirage fica muito bonita com o para brisa, mas eu resolvi fazer um teste nessa semana que passou: fiquei sem ele.

Quanta diferença!!!! A começar pela estética. A moto fica diferente, parece menor, mas ainda assim fica bonita pra caramba. E o vento no peito do qual eu já começava a sentir falta (o parabrisa da minha Mirage veio da loja assim, logo eu nunca tinha andado nela sem).

Já não sei se vou colocar ele de volta. Não enquanto durar o verão pelo menos, pois no inverno já sei que ele vai me quebrar um galhão, pois ele barra TODO o vento que acertaria o peito.

O bicho custa quase R$200,00 mas eu recomendaria que você testasse o de algum camarada antes de comprar. Não que não valha, pois se eu tivesse testado eu compraria, só não se esqueça de comprar uma chave de boca e deixar fácil para reapertar dia sim dia não (isso se você rodar os mesmo 140km/dia que eu rodo, hehehe).

Mirage x Shadow

Anteontem rodei uns 30Km na Anhanguera com um Shadow 2001 de uma camarada. E a verdade é que eu fico com a Mirage.

A única (e única mesmo) vantagem que vi na Shadow foi o torque, pois a 80km/h em quinta marcha ela ganha velocidade facilmente, enquanto que a Mirage demora um pouco mais (mas também chega lá e não fica pedindo pra baixar a marcha).

De resto eu não gostei de nada. Da posição, do banco, do tanque, do painel (modo de falar, porque só tem o velocímetro), etc, etc, etc.

A Shadow anda bem, mas a Mirage é muito mais moto e muito mais bonita, e afinal de contas, moto estradeira não foi feita pra correr.

24 dezembro, 2005

Consumo x Pegada

Nas duas medições que tomei o cuidado de fazer até agora os resultados foram os seguintes:

Com os 14 litros do tanque eu devo rodar por volta de 336 Km.

Primeira verificação - 25 km/litro (andando em média a 80km/h, picos de 100 km/h)
Segunda verificação - 23 km/litro (andando em média a 100km/h, picos de 120 km/h)

Atualização (demais verificações):

23,8 km/l
22,7 km/l
23,9 km/l

Transito pesado de Marginal e 23 de Maio (agora mais estreita, um verdadeiro inferno)
mas nas rodovias puxando 120 sempre. Na média ela está com 23 km/l o que eu estou achando muito bom.


Para o tanto que ela anda, eu acho que está muito bom.

Quer mais? compra uma CG!

So far, so Good??

Pouco mais de 1000km e os problemas da Moto são os seguintes:

- Deu problema no alarme e fiquei uma semana sem a moto até o pessoal da Kasinski de Guarulhos me arrumarem outro...

- Marcha lenta tá uma droga. Ando mais de 50km com ela e paro num semaforo. Se não ficar acelerando ela morre.

- Tem uma vibração esquisita por volta de 100km/h deve ser na relação. Como eu passo graxa branca nela toda semana, deve ser algum tipo de ajuste.

- Acho que pelo mesmo motivo (ajuste no carburador) se não esquentar ela uns 10 minutos de manhã, ela vai engasgando até esquentar. um saco.

- O parabrisa é preso por um monte de ferragens, mas com o passar do tempo eles devem afrouxar e fica desbalanceados. Vejam nas fotos como ele tá pendendo pra um lado.




Mas esse é o lado ruim. O lado bom é que ela está superando minhas espectativas quando a rendimento, consumo, conforto, dirigibilidade (corredor da MArginal Tietê, na boa!!!) e beleza.

Ela virou atração turistica no estacionamento da empresa onde trabalho. Estou pensando até em cobrar ingressos, hehehe.